Obaluaiê chama os Orixás para sua festa: Olubajé

Posted by Alberto Ebomi at 11:03 0 Comments
a  saudação  dos  convivas......

Dando continuidade ao culto do Olubajé no Candomblé, trago a última parte que finaliza o xirê (Obaluaiê chama os Orixás para sua festa), com canticos para Oxumarê, Nanã, Yemanjá e nosso glorioso pai Oxalá. É hora da família mítica de  Obaluaê. Vem dançar Oxumarê, seu irmão,  o arco-íris; depois Nanã, a sua mãe; em seguida Iemanjá,  sua mãe adotiva e finalmente Iansã, “ aquela que acalmou seu sofrimento na infância.

Oxumarê, que se encontrava sentado placidamente, ao ouvir os primeiros acordes do seu  “Orô”. Isto é, da cantiga que fala de sua história. Curvando-se em uma saudação, todos ouvem seu assobio alto e melodioso, anunciando sua satisfação.


A dança compassada deixa que todos possam admirar as roupas do Deus - Serpente .

Òsùmàrè                                                                               Ele está sobre a casa.
Wàlé    mo  rí ,  Òsùmàrè                                                  Eu vi , ele é imenso.
Lé´ lé  mo  rí ó ,  ràbàtà                                                        Ele está sobre a casa, é Oxumaré
Lé´ lé  mo                                                                          Oxumarê está sobre a casa
Òsùmàrè                                                                               Eu vi Oxumaré.

Um novo cântico, no mesmo ritmo , se ouve.....O texto fala do ´´àkoró ´´, isto é , do Senhor do àkorô – espécie de chapéu ou turbante que usam os poderosos em suas apresentações.

Aláàkòró    èmi  ô                                                             
Aláàkòró lé  ìwo                                                                    O Senhor do àkoró esta sobre mim.
Aláàkòró    èmi  ô                                                              O Senhor do àkoró sobre você.
Aláàkòró lé  ìwo

Òsùmàré ó  ta  kéré                                                              O Deus do arco-íris movimenta-se
Ta  kéré  ó  ta  kéré                                                               rapidamente.
Òsùmàré ó  ta  kéré                                                              Para diante, adiante , adiante.
Ta  kéré  ó  ta  kéré

O Orixá dança por mais alguns minutos e, curvando-se em todas as direções , saúda os quatro cantos do mundo e a todos  os presentes, retirando-se  em  seguida.

Os acordes dos atabaques, reverenciam  “ a mais velha das iabás’ , a venerável  Nanã.
Yaloshundé dirige-se até ela, que placidamente aguardava seu momento de saudar  Obaluaê.

E o cântico começa.......

Òdí  Nàná  ni  ewà
Léwà  lèwá  e                                                                        A outra face( outro lado ) de Nanã é bonita
Òdí  Nàná  ni  ewà                                                               A outra face de Nanã é bonita
Léwà  lèwá  e

Os versos da música sacra dizem que a “ Venerável  Anciã “ tem a outra face bela , deixando supor que existe uma que deve ser respeitada, pois Nanã está intimamente ligada ao culto dos “ egunguns “ , isto é , os espíritos dos ancestrais do povo-de-santo. A vinda do “ Ibirí “ – cetro daquela que é  “ a mais velha das deusas” é providenciado.

Nàná  ayò                                                  Nanã Olocó(aquela que tem poderes para chamar um parente morto)
Àwa  ló bímon  ayó  alóko                        faça-nos felizes; nós poderemos tomar outra direção para termos a
Nàná  ayò                                                 alegria do nascimento de filhos.
Àwa  ló bímon  ayó  alóko                       Naná Olocó, faça-nos felizes.    

Ò  iyá  wa  òré
Ò    aijalò                                                                           Ela é nossa mãe e amiga;
Ò  iyá  wa  òré                                                                       Ela é a Senhora da alta sociedade.
Ò    aijalòòde

Ao sons dos atabaques, majestosamente ela  comprimenta a todos na sua despedida; os presentes respeitosamente a saúdam  e reverenciam...........- Sálù    Nàná..... Sálù    Nàná ....
..... outra mãe está  para chegar....

È a vez de  Iemanjá ,  a quem se pede proteção, filhos saudáveis , parto  tranquilo, beleza e prosperidade.
Suas vestes regiamente ricas em tons claros fazem dela uma das mais belas das Iabás.
Os cânticos falarão de seus atributos, os mesmos que seus adeptos em todos o Brasil desejam e suplicam á deusa das águas.

As quatro cantigas que se seguem falam disso:

Yemonja  àwa                                                                       Iemanjá  protege-nos e nos enche de
Ààbò  a                                                                              satisfação.
Yemonja                                                                                È Iemanjá , estamos protegidos ,
Àwa  ààbò  a                                                                     e nossa satisfação é completa.

Ìyààgbà  ó    iré                          A velha mãe chegou fazendo-nos felizes, nos cumprimentamos Yemanjá.
A  kíì   e Yemonja                              A primeira que chamamos para abençoar nossa casa e dar satisfação.
A koko    ilé  gbè  a ó yó                Usar seu rio que escolhemos para nos banharmos,
Odò  ó  fi  a                                     pois o rio que escolhemos
    ó                                            é o rio  que usas para seu banho.

A        ó                                                                                   Nós escolhemos nos banharmos
Odò  fi  ó                                                                               em nossa casa.
A        ó                                                                      Ela  costuma escolher
A        ó                                                                      banhar-se no seu rio.

Ìyá  kòròba                                                                            Mãe que enfeita os cabelos dividindo-os
Kòròba    sàbá                                                                   no meio da cabeça, ela tem o hábito de
Ìyá  kòròba                                                                            enfeitar os cabelos dividindo-os no meio
Kòròba    sàbá                                                                   da cabeça.

A dança de  Iemanjá é solene  e altiva. Ora parece um minueto, onde uma dama graciosa caminha, ora simula um mergulho em águas imaginárias e profundas.
Todos repetem suas saudações em tom alto de admiração:

= Odò  Ìyá  - ah!! A mãe dos rios !!                            = Èérú  Ìyá   -  Mãe das espumas das águas !!

Ao cessar o toque dos atabaques ela despede-se de todos os presentes, curvando-se de maneira graciosa; e assim é ela mesma, sozinha que se dirige para o quarto – de – santo.

O silencio  no barracão e interrompido,  Oiá  “ Senhora dos raios, das tempestades, mãe de todos os ancestrais-egunguns” está chegando.
Quando começam as cantigas de Oiá, um frenesi percorre o barracão e o ritmo rápido de suas músicas contagia a todos.
E  assim começa seu grande bailado, numa coreografia com as mãos espalmadas para frente e para o alto evocando os ventos que antecedem as tempestades.

Oya  balè  e  Láárí  ó                                                            Oyá  tocou  a  terra, ela é importante.
Oya balè                                                                                Oiá  tocou  a  terra
Oya  balè  e  Láárí  ó                                                            Yansã tocou  a  terra
Oya balè                                                                                Ela é e alto valor, Oyá  tocou a  terra.
Àdá  máà    f´àrá                                                               Que sua espada não chegue até nós,
  ngbélé                                                                              e nem use seus raios para cortar a casa                  
Oya  balè  e  Láárí  ó                                                                     onde  vivemos.

Ó    lábá-lábá  -  Ó lábá  ó                                                Ela ( Oiá ) é uma borboleta
Ó    lábá-lábá  -  Ó lábá  ó                                                ela é uma borboleta.

Olúafééfé   sorí                                                                     Dona dos ventos que sopram sobre seus
Omon                                                                                    filhos.

Os textos da  Deusa guerreira, falam que ela é a senhora dos ventos e alguns ate afirmam  “ ela também  é bela e delicada como uma borboleta”  ....” quando quer “, ...respondem outros.
= Epa  He  yi  Oyá !! – Salve Oiá !!...a assistência exclama em voz alta, e novamente o silencio se faz.


...celebrando  a  criação

Vestido de branco , segurando um longo cajado e indiferente a toda agitação do barracão está
Oxalufâ  -  “ o Senhor da Criação “ .

Amparado, é delicadamente erguido de sua cadeira; a passos curtos e lentos é conduzido até a orquestra, que  aguarda pacientemente sua caminhada até que chegue mais próximo, para então executar o seu ritmo Igbi.

Ao seu lado, Oxaguiã ,  seu filho guerreiro, e como ele, também  “ Pai da Criação “.
Amparado pelo guerreiro, o mais velho encurvado começa a dançar, e todos exultam....

= Epa  babá !!  -   Respeitos  ao  pai !!             ///         = Epa  babá !!  -   Respeitos  ao  pai !!

Èyin    àwa                                                                         Vós vedes a nós e a crença em nossos corações.
ìgbàgbó  wa  okòn                                                                Vós vedes a nós e a crença em nossos corações.
Èyin    àwa  , ìgbàgbó  wa  okòn                                       Façais com que haja concórdia em nossa reunião
Ètùtù    ipadé  siré                                                             de xirê ( dançar e brincar para  orixás )
    lé, kò    lé,                                                              Que não causeis confusão na casa,
Bàbá  Ifá                                                                               Pai Ifá.
E  sìn    ipàde  siré                                                             Vos cultuaremos em nossas reunião de xirê,
    lé, kò    lé,                                                             não causeis confusão em nossa casa,
Bàbá  Ifá                                                                               Pai Ifá.

Sem cessar a dança e no mesmo ritmo, é saudado, agora, Ajalá , o grande oleiro, construtor das cabeças dos homens:

Àjàlá  mo    mo    mo  yo                                                 Ajalá fez o meu ori ( minha cabeça ),
Álá  forí  kòn                                                                         me germinou e fez crescer,alá que segura
E  àgó  fi rí  mi                                                                      e mantém a minha cabeça.

Bée  orí    kíì  Àjàlá                                               Assim não há ori ( cabeça ) que não saúde Ajalá.
Bàbá  òkè    a                                                O Pai que está no topo,  nós o conhecemos e saudamos.
Kíì  Àjàlá  bée  orí                                                 Ajalá , não há ori que não o faça.

Um último cântico  é executado para saudar os orixás funfun – donos do branco, da “ pureza” como dizem outros, é em especial a homenagem a  Oxaguiã, sempre louvado no alvorecer, nas preces feitas aos ancestrais.

Ojó    tyìn  odó  aláyé  ojó                                                           Chefe do dia que entende o dia
Ojó    walé  ojó                                                                   e tem pilão.
Ojó    tyìn  odó  aláyé  ojó                                                           O que nasce em nossa casa ,
A  bo  wa  Bàbá  ó                                                                vamos cultuar o nosso pai.

Uma história ouvida  há alguns anos, na Casa Branca do Engenho Velho    Ilê  Ia – Nassô , relata.....

Oguiã, que gostava muito de guerra...voltava para sua cidade, quando viu que ela estava muito vazia..soube então que parte de seu povo fora levado e escravizado...Cheio de raiva vai á floresta e arranca uma imensa árvore  e vem sobre o seu tronco até o Brasil...No meio do mar encontra  uma linda mulher, Iemanjá-Ogunté, guerreira como ele...fazem um filho – Ogunjá... e os três chegam à Bahia para lutar juntos por sua gente....”

Neste dia  - o da festa – apesar das homenagens feitas a todos no xirê, dois Orixás estão ausentes:
Xangô – o irmão rival do homenageado.
Ogum, de quem o povo-de-santo diz ter com ele “ uma disputa” muito antiga com referencia  a faca.


O xirê: Omolu chama os Orixás para o Olubajé


Compartilhe

Siga por Email

Inscreva-se em nossa lista de E-mail. Nunca'iremos compartilhar o seu endereço de e-mail.

0 comentários:

Você da Umbanda ou do Candomblé que quer deixar uma observação fique a vontade, seu comentário será de ajuda para mim e para os outros leitores do site que estão a procura de aprendizagem. Sorte axé para todos irmãos.

Religião
Spirituality Blogs - BlogCatalog Blog Directory Central Blogs Juntos no Candomblé

Criado para divulgar a religião do Candomblé e a Umbanda, falando sobre Orixás, Entidades, Caboclos, Ifá, Cultura Afro-brasileira, para que os seguidores de nossa tão linda religião cada vez mais se enrriqueça de sabedoria e cultura. Axé para Todos!!! Licença Creative Commons
Obra de divulgação, não deve ser comercializada de nenhuma forma. Não é permitido copiar artigos do blog sem a devida autorização do autor..
.

Divulgar Blogs

back to top